jusbrasil.com.br
21 de Outubro de 2017
    Adicione tópicos

    GT Rua da DPU presta assistência à população no Centro Pop de Brasília

    Defensoria Pública da União
    há 2 meses

    Brasília – Em ação do Grupo de Trabalho Rua, dedicado a prestar assistência às pessoas em situação de rua, a Defensoria Pública da União (DPU) realizou, na manhã dessa terça-feira (8), mutirão de atendimento no Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop). A Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF) participou da iniciativa. Foram atendidas 11 pessoas em demandas previdenciárias, reestabelecimento de benefícios, causas trabalhistas e outras.

    Segundo o defensor público federal Leonardo Magalhães, o atendimento à população em situação de rua deve ser destaque na instituição. “Acredito que é o papel da Defensoria a aproximação com os grupos sociais vulneráveis e a população de rua é um dos grupos que devem ser priorizados. Essa é uma população já estigmatizada pela situação em que se encontra. A Defensoria atua na efetivação de direitos e na implementação da cidadania”, apontou.

    J.L., natural do Ceará, eletricista e em situação de rua há dois meses, buscou ajuda após ter tido o cartão do passe livre roubado e não ter conseguido realizar o bloqueio na agência do DF Trans. Ele elogiou a iniciativa da DPU: “às vezes a gente não tem conhecimento, não tem nenhum outro tipo de ajuda e eu achei muito importante a Defensoria hoje estar aqui no Centro Pop realizando esse tipo de trabalho ajudando as pessoas carentes, principalmente, porque a gente precisa muito”.

    O cozinheiro E.S., em situação de rua há um ano e meio, pediu ajuda à DPU para conseguir documentação que garante recebimento mensal de benefício. “Eu procurei o serviço da Defensoria porque tenho um benefício para receber dia 22, todo mês, e estou sem RG, nenhum documento com foto eu tenho”, completou.

    A Portaria 666/2017 dispõe sobre diretrizes de atendimento à população em situação de rua em todas as unidades da DPU e determina que seja realizado por equipe multidisciplinar, e que essas pessoas tenham prioridade, sem necessidade de agendamento. “A Portaria 666 veio para institucionalizar o atendimento a essas pessoas vulneráveis, que passam a ter prioridade”, comentou a defensora pública federal Isabella Simões.

    O GT Rua realiza mutirão de atendimento mensal na rodoviária do Plano Piloto e um itinerante, cujo local é indicado pelo movimento dos moradores de rua. Além desses, são realizados outros dois atendimentos por mês: no Centro Pop e na Unidade de Acolhimento para Adultos e Famílias (Unaf), que acolhe 150 pessoas na região do Areal. Segundo Isabella, ir aos locais onde esses cidadãos frequentam cotidianamente é uma das principais estratégias do grupo.

    Centro Pop

    O Centro de Referência Especializado para a População em Situação de Rua recebe por dia cerca de 200 pessoas, que vão em busca de guarda de pertences, documentação, acolhimento, albergue e itens básicos de alimentação e higiene. O Distrito Federal tem dois Centros Pop: um na Asa Sul e outro em Taguatinga.

    O Centro Pop da Asa Sul distribui em média 140 marmitas por dia para os visitantes. Segundo a assistente social Ana Cristina Prado, o trabalho do centro é importante para garantir dignidade aos moradores de rua. “A gente tem uma perspectiva de trabalho de redução de danos.
    O Centro Pop tenta garantir os direitos dessas pessoas na vivência de rua como cidadãos, para que tenham documentos, possam se alimentar, não passar frio, e fazer higiene pessoal”, disse.

    MCB/MGM
    Assessoria de Comunicação Social
    Defensoria Pública da União

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)